Vitamina A, ou retinol, exerce um papel importante na visão e na reprodução

25/08/2009

Vitamina A, ou retinol, exerce um papel importante na visão e na reprodução

Vitamina A Ou Retinol Exerce Um Papel Importante Na Visao Na Reproducao

A vitamina A, ou retinol, exerce um papel importante na visão e na reprodução e ajuda as células saudáveis a criarem cópias exatas de si mesmas durante a divisão celular. Nesse artigo, discutiremos a importância da vitamina A e as fontes desse nutriente.

•O que é vitamina A?

A vitamina A é importante para a visão. Uma deficiência dessa vitamina leva à xeroftalmia, que causa lesões irreversíveis nos olhos e cegueira. A deficiência de vitamina A é a principal causa de cegueira no mundo. A vitamina A também é importante para manter a pele saudável, além de ajudar o corpo a resistir a infecções.


•Benefícios da vitamina A

A vitamina A é importante para o sistema imunológico e mantém as células da pele e das membranas mucosas saudáveis. Ela ajuda a combater o câncer inibindo a produção de DNA em células cancerosas. Também retarda o crescimento de cânceres já estabelecidos e pode impedir que as células da leucemia se dividam.


•Alimentos que contêm vitamina A

A vitamina A pode ser encontrada como retinol nos alimentos animais, e como carotenóides, nos vegetais. Estes são compostos que o corpo consegue transformar em vitamina A. O fígado é a melhor fonte de vitamina A.


•Deficiência de vitamina A

A deficiência de vitamina A causa incapacidade de enxergar bem no escuro, pele áspera e suscetibilidade a doenças infecciosas. Nos Estados Unidos, essa deficiência é mais comum entre os grupos de baixa renda.


•Suplementos de vitamina A

A suplementação de vitamina A deve ser limitada a 5.000 Unidades Internacionais - UI (1.000 Equivalentes de Retinol - ER) para homens e 2.500 UI (500 ER) para mulheres. Deve-se tomar cuidado ao tomar suplementos de vitamina A - doses elevadas podem ser tóxicas.


•Carotenóides

Os carotenóides, também chamados de pró-vitamina A, são os precursores da vitamina A. Esses pigmentos vegetais coloridos podem ser encontrados em frutas amarelas e laranjas, assim como nas verduras. São antioxidantes poderosos que podem ajudar a prevenir algumas formas de câncer e doença cardíaca.

O que é vitamina A?
A vitamina A foi a primeira a ser descoberta. No início do século 20, os pesquisadores reconheceram que uma certa substância nas gorduras animais e nos óleos de peixe era necessária para o crescimento dos animais jovens. Os cientistas, originalmente, chamaram-na de "A solúvel em gordura". Posteriormente, passaram a chamá-la de vitamina A.


2007 Publications International, Ltd.
A vitamina A é essencial para uma visão saudável


O papel mais bem definido da vitamina A é o que ela exerce na visão, especialmente na capacidade de enxergar no escuro. Os metabólitos da vitamina se associam a certas proteínas para formar pigmentos visuais que ajudam o olho a se ajustar do claro para o escuro. Entretanto, esse processo utiliza uma grande quantidade de vitamina A. Se ela não for reposta, poderá ocorrer cegueira noturna.

Além disso, uma deficiência de vitamina A resseca o revestimento transparente do olho (a córnea) e a membrana sobre o branco dos olhos (a conjuntiva). Se não for tratado, esse problema, chamado de xeroftalmia, causa lesões irreversíveis e cegueira. A deficiência de vitamina A é a principal causa de cegueira no mundo.

A vitamina A também é importante para o crescimento e a reprodução normais - especialmente para o desenvolvimento correto dos ossos e dos dentes. Estudos feitos com animais revelam que a vitamina A é essencial para a formação normal do espermatozóide, para o crescimento de um feto saudável e, talvez, para a síntese dos hormônios esteróides.

Outro papel importante, porém mal compreendido, da vitamina envolve a conservação da pele saudável. O consumo aumentado de vitamina A não fará sua pele flácida ficar bonita de uma hora para outra, mas sua deficiência poderá causar problemas de pele. Além disso, o consumo adequado dessa vitamina garante que as membranas mucosas dos tratos gastrointestinal e respiratório sejam saudáveis. Dessa forma, a vitamina A ajuda o corpo a resistir a infecções.

Ela também está sendo estudada por sua função na criação de cópias normais de nossas células à medida que se reproduzem. As células que não se diferenciam em tipos celulares específicos têm uma chance maior de sofrer mudanças pré-cancerosas do que as células diferenciadas normalmente. Estudos atuais sugerem que os níveis adequados de retinol podem ajudar a prevenir câncer do fígado, da próstata e, possivelmente, do cólon.

Como já aprendemos, a vitamina A é essencial para uma visão saudável. Continue lendo para saber mais sobre os benefícios terapêuticos da vitamina A.

Benefícios da vitamina A
Além de tratar as síndromes de deficiência, a vitamina A possui vários usos terapêuticos e preventivos. Ela é um "remédio" importante para o sistema imunológico e mantém as células da pele e das membranas mucosas saudáveis. Quando as membranas estão saudáveis, elas ficam úmidas e resistentes a lesões na célula. A umidade impede que bactérias e vírus ultrapassem as barreiras e dêem início a doenças infecciosas.


2007 Publications International, Ltd.
A vitamina A ajuda a manter as
células da pele e das membranas mucosas saudáveis
Células saudáveis também são resistentes a cânceres. A vitamina A combate o câncer inibindo a produção de DNA em células cancerosas. Também retarda o crescimento do tumor em cânceres estabelecidos e pode impedir que as células da leucemia se dividam.

Essa vitamina é particularmente útil em doenças causadas por vírus. Sarampo, vírus respiratórios e até o HIV (vírus da imunodeficiência humana), que causa a AIDS, podem fugir na presença da vitamina A. Os níveis dessa vitamina no sangue geralmente são baixos em pessoas com doenças virais. Após receber quantidade extra de vitamina A, o corpo é capaz de preparar sua defesa, em geral, resultando em uma recuperação mais rápida. Entretanto, ela também pode aumentar o risco de infecções, de acordo com as descobertas feitas por um estudo recente. Na infecção por HIV, por exemplo, a vitamina A pré-fabricada também pode estimular a replicação do vírus, por isso, limitar o consumo de vitamina A é a melhor opção para esses pacientes.

As vítimas de derrame (acidente vascular cerebral) que apresentam níveis elevados de vitamina A têm menor probabilidade de morrer ou sofrer de deficiências decorrentes do derrame. O consumo regular de frutas e verduras é uma excelente defesa contra o derrame e suas complicações.

A aplicação tópica de vitamina A ajuda a aliviar a síndrome do olho seco. Quando não há produção de lágrimas nem lubrificação, os olhos ficam secos e extremamente desconfortáveis. Muitas opções de tratamento normalmente não são satisfatórias, com exceção dos colírios de vitamina A. Usados clinicamente, esses colírios melhoram o funcionamento das células e deixam os olhos úmidos.

A vitamina A de uso oral e tópico, aparentemente, é promissora na prevenção e, possivelmente, no tratamento de câncer de pele. Ela também pode ser útil no clareamento das manchas escuras que geralmente surgem com a idade. A aplicação tópica usada em um estudo clareou significativamente essas manchas em um período de um mês.

Os derivados de vitamina A são utilizados no tratamento de doenças da pele. Isotretinoína é um medicamento oral usado no tratamento de acne cística grave. Como existe a possibilidade de haver efeitos colaterais graves, como lesões no fígado e níveis elevados de triglicerídeos no sangue, o médico precisa monitorar de perto o tratamento com esse medicamento. Qualquer mulher que possa engravidar deve usar contraceptivos de confiança ao tomar esse medicamento, pois ele pode causar aborto espontâneo ou sérios defeitos de nascença. As gestantes devem evitar usá-lo, como também outras fontes de vitamina A em doses elevadas.

Tretinoína é um medicamento tópico usado principalmente no tratamento de acne, com menos possibilidade de efeitos colaterais sérios do que a isotretinoína oral. Ela trata a calvície quando prescrita junto com minoxidil. Também pode diminuir o aparecimento de rugas e reverter os efeitos dos danos do sol na pele. Outro derivado de vitamina A, o etretinato, pode tratar a psoríase.

Especialistas concordam que a melhor maneira de obter os nutrientes essenciais é por meio de dieta. Continue lendo para conhecer os alimentos que contêm vitamina A.

Alimentos que contêm vitamina A
Tanto os alimentos animais quanto os vegetais possuem atividade da vitamina A. O retinol, também chamado de vitamina A pré-fabricada, é a forma natural encontrada nos animais. Os carotenóides, encontrados nas plantas, são compostos que o corpo consegue transformar em vitamina A.

O fígado é a melhor fonte de vitamina A. Entretanto, muitos especialistas recomendam o consumo de fígado apenas uma ou duas vezes por mês devido às substâncias tóxicas que ele contém. Os poluentes ambientais tendem a se acumular no fígado do animal. Gema de ovo, queijo, leite integral, manteiga, leite desnatado e margarina também são boas fontes de vitamina A. Mas cuidado, pois todos esses alimentos, com exceção do leite desnatado, são ricos em gordura total e gordura saturada, e todos, exceto a margarina, são ricos em colesterol. O azeite-de-dendê, usado na culinária em muitos países tropicais, e o óleo de fígado de peixe tomado como suplemento também são ricos em vitamina A. Uma colher de sopa de óleo de fígado de bacalhau contém mais de 12.000 UI, mais que o dobro do consumo diário recomendado para adultos.

As gemas de ovo são uma boa fonte de vitamina A




Devido ao alto teor de gordura e colesterol da maioria dos alimentos ricos em vitamina A, assim como a possibilidade de super dose, recomenda-se que não se consuma essa fonte em excesso só para suprir a necessidade de vitamina A (estudos recentes sugerem que a vitamina A, como retinol, pode ser tóxica em doses muito menores do que as consideradas anteriormente) Atualmente, os norte-americanos ingerem cerca de metade de vitamina A como retinol, de fontes animais, e metade como carotenóides, de fontes vegetais.

Veja a seguir os alimentos que são uma boa fonte de vitamina A.

Alimento Quantidade
Vitamina A, em UI Equivalentes de retinol (ER)

Batata-doce assada sem casca
1 média 28.805 2.881
Abóbora enlatada 1/2 xícara 27.018 2.702
Batata-doce cristalizada 1 média 25.188 2.519
Fígado de boi cozido 56 g 20.230 6.130
Espinafre enlatado, sem água 1 xícara 18.781 1.878
Batata-doce enlatada 1 xícara 15.966 1.597
Espinafre cozido, fresco ou congelado 1 xícara 14.790 1.479
Cenoura crua 1 média 12.767 1.277
Melão
1/2 médio 12.688 1.269
Ervilha e cenoura congeladas (cozidas, sem água) 1 xícara 12.418 1.242

A deficiência de vitamina A pode causar uma série de problemas de saúde, como maior suscetibilidade a doenças infecciosas. Vá para a próxima página para saber mais sobre a deficiência de vitamina A e o consumo diário recomendado.

Deficiência de vitamina A
Nos Estados Unidos, a deficiência de vitamina A é comum entre os grupos de baixa renda. As crianças são especialmente vulneráveis porque ainda estão em fase de crescimento.

As pessoas que seguem dietas muito pobres em gordura e que limitam seu consumo de fígado, laticínios e verduras de folha verde-escura, e as que apresentam má absorção de gordura decorrente de doenças, como a doença celíaca (em inglês) ou a hepatite infecciosa, também podem ficar com deficiência de vitamina A. Uma deficiência de zinco pode causar a deficiência de vitamina A, dificultando o uso dos próprios locais de armazenamento da vitamina A no corpo.


2007 Publications International, Ltd.
Um dos primeiros sinais de deficiência de vitamina A é a incapacidade de enxergar bem no escuro, ou cegueira noturna


Um dos primeiros sinais de deficiência de vitamina A é a incapacidade de enxergar bem no escuro, problema conhecido como cegueira noturna. Se a deficiência não for tratada, as camadas externas dos olhos ficarão secas, espessas e embaçadas, levando à cegueira.

A deficiência de vitamina A também faz a pele ficar áspera e seca. Além disso, a pessoa pode ficar mais suscetível a doenças infecciosas. Isso porque a falta de vitamina A prejudica o revestimento dos tratos respiratório e gastrointestinal, fazendo com que eles não consigam agir como barreiras eficazes contra bactérias. Existe uma probabilidade maior também de infecções da vagina e do trato urinário.

O tratamento de crianças com xeroftalmia começa com grandes doses de vitamina A, passando a doses menores depois de alguns dias. A cegueira pode ser prevenida se o tratamento for iniciado antes de uma lesão mais grave nos olhos.

Doenças como icterícia obstrutiva ou fibrose cística provocam má absorção da gordura alimentar e das vitaminas solúveis em gordura. Por isso, mesmo que as pessoas com essas doenças consumam quantidades adequadas de vitamina A, elas ainda poderão desenvolver uma deficiência devido à má absorção. Para superar esse obstáculo, os pacientes podem tomar grande quantidade de uma forma de vitamina A solúvel em água.

Uma doença que apresente febre prolongada, como hepatite infecciosa ou febre reumática, pode rapidamente esgotar as reservas de vitamina A do fígado. Como parte do tratamento, o médico pode prescrever essa vitamina em quantidades maiores que o CDR (consumo diário recomendado) para evitar a deficiência. O zinco é necessário para transportar a vitamina A, por isso, ele pode ser recomendado em níveis baixos.

Necessidades alimentares

O CDR de vitamina A é de 900 ER (equivalentes de retinol) para homens e 700 ER para mulheres. Prefere-se usar a medida equivalente de retinol para a vitamina A, pois esse método leva em consideração as duas formas da vitamina - retinol e carotenóides. Um ER é igual a 3,33 UI (unidades internacionais) de retinol ou 10 UI de betacaroteno ou 12 UI de carotenos misturados. Supondo que você obtenha a vitamina das duas fontes, os CDRs são equivalentes a cerca de 5.000 UI para homens e 4.000 UI para mulheres.

Não é necessário consumir o Consumo Diário Recomendado - CDR - de vitamina A diariamente. Como a vitamina A não é solúvel em água, você não elimina o excesso. O fígado armazena a vitamina A e o corpo pode utilizar as reservas sempre que o consumo for muito baixo. Para a maioria dos adultos, são necessários meses para eliminar as quantidades armazenadas. Desde que você faça uma dieta bem balanceada, que inclua leite, verduras verdes e laranjas, seu consumo total deve ser suficiente para suprir a vitamina A de que seu corpo precisa. Os vegetarianos radicais podem obter vitamina A suficiente se ingerirem uma grande quantidade de vegetais pigmentados.

Se você optar por tomar suplementos de vitamina A para atender as suas necessidades diárias, tome cuidado para não exagerar, pois essa vitamina em excesso pode ser tóxica. Continue lendo para obter mais informações sobre os suplementos de vitamina A.

Suplementos de vitamina A
Que quantidade de vitamina A é considerada suficiente? Para a boa saúde, deve-se limitar a suplementação de vitamina A a 5.000 UI (1.000 ER) para homens e 2.500 UI (500 ER) para mulheres. É possível tomar uma dose alta de até 50.000 UI (10.000 ER) por um ou dois dias somente para tratar uma infecção viral. As gestantes devem usar caroteno.

Ao comprar suplementos de caroteno, procure "carotenóides misturados", de modo que você obtenha parte dos outros carotenos úteis, e não só o betacaroteno. A melhor fonte desses suplementos é o azeite-de-dendê (óleo de palma). Você não precisa se preocupar com o consumo de gordura porque os carotenos são extraídos do azeite-de-dendê. Evite produtos sintéticos. Recomenda-se uma dose diária de 25.000 UI para fins de saúde geral.

Não use em exagero. Quantias elevadas de vitamina A são claramente tóxicas. Uma dose muito grande ou doses altas por um longo período de tempo podem causar queda de cabelo, dor articular, náusea (em inglês), dor muscular e óssea, cefaléia, pele seca e escamosa, diarréia, erupções na pele, aumento de fígado e baço, interrupção da menstruação e atraso no crescimento.

Doses elevadas de vitamina A podem ser tóxicas, por isso, não exagere nos suplementos


Dois estudos recentes indicam que a toxicidade pode ocorrer com níveis bem mais baixos do que os considerados anteriormente. Pesquisadores relatam que as doses diárias que excedem 25.000 UI por um determinado período causam lesões permanentes no fígado. E um estudo realizado recentemente em gestantes descobriu que as mulheres que tomavam mais de 10.000 UI corriam um risco cinco vezes maior de dar à luz a um bebê com defeito de nascença, comparadas às mulheres que ingeriam menos de 5.000 UI.

O consumo excessivo de retinol pode ser prejudicial à saúde, especialmente a do coração e a dos ossos. Um teste clínico mostrou que as pessoas que tomaram 25.000 UI de vitamina A por dia, durante 3 a 4 anos, tiveram um aumento do nível de triglicerídeos e colesterol total, e uma redução do colesterol bom (HDL). Estudos feitos tanto com animais quanto com seres humanos revelam que o uso excessivo de vitamina A pode acelerar a perda de massa óssea e inibir a formação de ossos novos, aumentando o risco de osteoporose. No homem, estudos encontraram esses efeitos com cerca de 85.000-125.000 UI por dia. Por esse motivo, deve-se limitar a suplementação de retinol a 500-600 ER por dia se houver risco de doença cardiovascular ou osteoporose. Em outras palavras, limite o consumo se quiser passar dos 50 anos!

Em alguns casos relatados, a toxicidade da vitamina A ocorreu após o consumo exagerado de fígado. Como ele armazena vitamina A, recomenda-se não consumi-lo em grandes quantidades, diariamente.

Os carotenóides também podem ser uma boa fonte de vitamina A. Continue lendo para aprender mais sobre esses pigmentos vegetais coloridos.

Carotenóides
Os carotenóides, os pigmentos vegetais coloridos que o corpo consegue transformar em vitamina A, são poderosos antioxidantes que podem ajudar a prevenir algumas formas de câncer e doença cardíaca, e agem para melhorar a resposta imunológica a infecções.

Esses precursores da vitamina A, às vezes, são chamados de pró-vitamina A. O beta-caroteno laranja claro é o carotenóide mais importante para o consumo adequado dessa vitamina, pois produz mais vitamina A do que o alfa ou o gama-caroteno.

Alguns carotenóides, como o licopeno, não se transformam em vitamina A. O licopeno, pigmento vermelho encontrado no tomate e na melancia, entretanto, é importante porque é um antioxidante ainda mais potente que o beta-caroteno. Os outros carotenóides também são antioxidantes valiosos.

Os antioxidantes ajudam o corpo a reduzir a ação inflamatória do oxigênio (O2) ou de radicais livres. Os átomos de oxigênio se associam em pares. Os átomos de oxigênio O2 são instáveis e interagem com os lipídeos encontrados nas paredes celulares e causando inflamações e lesões. Às vezes, seu próprio corpo utiliza esses radicais livres para combater infecções e células anormais. Na maior parte do tempo, esses radicais livres provocam inflamação e lesão nas células, como as que revestem suas artérias.

Os carotenóides, precursores da vitamina A, podem ser encontrados nas frutas e verduras amarelas e laranjas


As frutas e as verduras amarelas e laranjas possuem uma atividade grande de vitamina A devido aos carotenóides que contêm. Geralmente, quanto mais forte for a cor da fruta ou da verdura, maior será a concentração de carotenóides. A cenoura, por exemplo, é uma fonte muito boa de beta-caroteno. Verduras de folhas verde-escuras, como espinafre, aspargo e brócolis, também contêm grande quantidade de carotenóides, mas seu pigmento verde intenso, por conta da clorofila, mascara a cor alaranjada.

A maioria dos outros carotenóides, como alfa e gama-caroteno, além da criptoxantina e beta-zeacaroteno, têm menos atividade de vitamina A do que o beta-caroteno, mas oferecem grande prevenção contra o câncer. Alguns carotenóides, como licopeno, zeaxantina, luteína, capsantina e cantaxantina, não se transformam em vitamina A no corpo. Mas eles são poderosos no combate ao câncer, predominando em frutas e verduras. Existem muitas evidências de que o licopeno, em particular, ajuda a diminuir o risco de câncer de próstata.

Os carotenos também são remédios preventivos valiosos. Uma pesquisa mostra que as pessoas que comem muitos alimentos ricos em beta-caroteno - o carotenóide com o maior quantidade de vitamina A - têm menos probabilidade de desenvolver câncer de pulmão. Mesmo entre os fumantes, a chance de câncer de pulmão é menor naqueles que seguem uma dieta com muitas frutas e verduras que contêm beta-caroteno. No entanto, o suplemento de betacaroteno na forma de pílula nem sempre tem o mesmo efeito. Talvez porque, nesses alimentos, pode haver outras substâncias que também oferecem proteção. Em três estudos envolvendo 69 mil participantes (muitos deles fumantes), os suplementos de beta-caroteno aumentaram a incidência de câncer de pulmão. A luteína/zeaxantina, licopeno e alfa-caroteno apresentam evidências de serem significativamente mais protetores contra o câncer de pulmão e alguns outros cânceres.

Muitos especialistas acreditam que o efeito protetor dos carotenóides depende do momento em que você os toma. Se ingerir beta-caroteno antes de as células terem sofrido alguma mudança pré-cancerosa, a ação do antioxidante dos carotenóides pode ajudar a diminuir a probabilidade de qualquer mutação. Os carotenóides, nesse ponto, podem impedir que os radicais livres danifiquem as células e o DNA dentro delas, que podem dar início a um tumor canceroso. Mas se você tomar suplemento de beta-caroteno depois que as células já sofreram mutação, o beta-caroteno pode impedir que as células modificadas sejam destruídas pelo seu próprio sistema imunológico.

Algumas das células mais poderosas do corpo que lutam contra o câncer utilizam os radicais livres para combater infecções e destruir as células pré-cancerosas. Por isso, ingerir alimentos ricos em carotenóides ou tomar suplementos ajuda no que chamamos de proteção primária contra o câncer - antes da doença aparecer. Mas depois que já tiver uma grande colônia de células cancerosas, os suplementos de beta-caroteno podem impedir que seu próprio sistema combata o câncer, tornando a suplementação de carotenóide bem menos segura para o que chamamos de prevenção secundária - impedir a recorrência da doença.

Além de sua função na prevenção do câncer, os carotenos também protegem contra a doença cardíaca. Novamente, é a ação antioxidante que protege o revestimento das artérias e as gorduras no sangue contra os danos oxidativos dos radicais livres. E a degeneração macular relacionada à idade, que leva à perda da visão, pode ser neutralizada pelo poder antioxidante dos carotenos.

O beta-caroteno é usado para tratar problemas de pele causados pela exposição ao sol. Algumas pessoas têm problemas em que ocorrem inchaço, vermelhidão, coceira e dor após terem se exposto ao sol. Normalmente, isso é resultado do excesso de lesões causados pelos radicais livres devido a um problema celular. A suplementação de beta-caroteno ajuda a aliviar esses sintomas protegendo as células contra lesões.

Os carotenos, como a vitamina A, auxiliam na função imunológica, mas de uma forma diferente. Eles estimulam a produção de glóbulos brancos especiais que ajudam a determinar o estado imunológico geral. Melhoram também a comunicação entre as células, o que resulta em menos mutações celulares. Os glóbulos brancos atacam bactérias, vírus, células do câncer e levedura. As mulheres com níveis elevados de carotenos no sangue tendem a ter menos incidência de infecções vaginais por levedura.

Embora o fígado armazene retinol, os carotenóides em excesso se acumulam na gordura logo abaixo da pele. Se você ingerir muitos alimentos ricos em caroteno, notará que sua pele ficará amarelada, especialmente nas palmas das mãos e nas solas dos pés. Isso geralmente é considerado inofensivo, embora as pílulas de bronzeamento que contêm caroteno usadas na Europa supostamente causem infertilidade nas mulheres.

Deficiência

Não existe nenhum caso conhecido de deficiência de carotenóide. Ao contrário, os sintomas da deficiência são associados à deficiência de vitamina A. Embora os carotenóides possam ajudar a prevenir a deficiência de vitamina A, as pessoas que apresentam hipotireoidismo têm menos capacidade de transformar o beta-caroteno em vitamina A (retinol).

Contra-indicações

O uso de mais de 100.000 UI de beta-caroteno por dia, às vezes, deixa a pele com um tom amarelado, que pode lembrar icterícia, mas não é prejudicial. As pessoas que tomam beta-caroteno por longos períodos também devem receber suplementos com vitamina E, já que o beta-caroteno pode diminuir os níveis dessa vitamina. A suplementação com doses superiores a 50.000 UI de beta-caroteno também pode reduzir os níveis de luteína, licopeno e outros carotenóides no sangue.

A vitamina A e os carotenóides são essenciais a sua saúde, especialmente para uma boa visão. Apenas se certifique de obter a quantidade adequada desse nutriente e tome cuidado com a overdose para evitar níveis tóxicos. Dessa forma, a vitamina A manterá seu corpo funcionando perfeitamente.

ACADEMIA WALL STREET FITNESS
bodyticket.com.br
(31) 3335-7227 (31) 3291-6590.
AV.CONTORNO 8000 - BAIRRO LOURDES
BELO HORIZONTE - MG
Mapa Wall

Tags da Academia