vitamina B1, ou tiamina

28/08/2009

vitamina B1, ou tiamina

Vitaminas B

A descoberta da tiamina foi a chave que desvendou o mistério de uma doença, nascida da tecnologia, mas chamada pelo simples nome de beribéri. A própria palavra significa fraqueza em um dialeto das Índias Orientais. Nesse artigo, veremos a importância da tiamina na prevenção de doenças do sistema nervoso e de outros problemas, e saberemos a quantidade recomendada para consumo diário.

•O que é vitamina B1?

A vitamina B1, ou tiamina, é uma coenzima importante que ajuda o corpo a transformar alimento em energia. Ela também ajuda a produzir gordura e a metabolizar proteína. A tiamina é necessária para manter o funcionamento normal do sistema nervoso.


•Benefícios da vitamina B1

A tiamina participa da cadeia de reações que fornece energia ao corpo. Ela foi considerada benéfica para os portadores da doença de Alzheimer e para idosos com deficiência mental. Além disso, pode melhorar o funcionamento mental das pessoas que sofrem de epilepsia e que tomam o medicamento fenitoína.


•Alimentos que contêm vitamina B1

A maioria dos alimentos contém pouquíssimas quantidades de tiamina. Entretanto, ela pode ser encontrada em alimentos "enriquecidos", como pães e cereais. A tiamina ocorre naturalmente em porcos, ostras, ervilhas verdes e feijões-de-lima.


•Deficiência de vitamina B1

A deficiência de tiamina leva ao beribéri, uma doença debilitante e potencialmente fatal. A "beribéri seca" se caracteriza por dormência, fraqueza muscular, falta de apetite e alterações do sistema nervoso. A "beribéri úmida" provoca acúmulo de líquido e pode levar à insuficiência cardíaca.

O que é vitamina B1?
O beribéri, uma doença debilitante e geralmente fatal, não era um problema de saúde grave entre as pessoas que comiam arroz, na Ásia, até o fim do século 19. Entretanto, os moinhos começaram a polir o arroz - um processo que remove as camadas escuras externas do grão, deixando as sementes brancas e lisas. O arroz sem essa camada externa de farelo perde boa parte da tiamina.

Logo depois que a prática do refinamento começou, a incidência de beribéri chegou a níveis epidêmicos no continente asiático. Uma situação semelhante ocorreu em países onde o trigo era o alimento básico, quando a farinha branca refinada começou a substituir a farinha integral. Com o aumento dos casos de beribéri, começaram os esforços para descobrir sua causa e sua cura. Entretanto, isso demorou quase 50 anos para acontecer.

O arroz polido perde a camada externa do farelo, ficando sem boa parte de tiamina



K. Takaki, um oficial médico da Marinha japonesa, foi o primeiro a suspeitar da relação entre a alimentação e o beribéri. Na década de 1880, Takaki começou a investigar a doença, que acometeu muitos marinheiros japoneses em longas viagens - uma situação que lembrou o escorbuto. Para testar sua crença de que a dieta alimentar era a responsável, Takaki acrescentou carne e leite à alimentação dos marinheiros. Apenas alguns homens ficaram doentes - os que se recusaram a tomar o leite e a comer a carne.

Outras evidências surgiram de Java, onde o médico holandês Cristiaan Eijkman descobriu que os frangos alimentados com arroz polido apresentavam sintomas semelhantes aos do beribéri. Ao alimentá-los com arroz não polido, os sintomas desapareceram. Eijkman, então, fez o mesmo com pessoas, e confirmou que o arroz não polido poderia prevenir e curar o beribéri.

Entretanto, foi somente após o ano de 1910 que a busca pela substância misteriosa do arroz não polido começou realmente. O químico Robert Williams analisou o líquido extraído dos polimentos do arroz, testando cuidadosamente cada substância por seu efeito na polineurite - a doença do frango, semelhante ao beribéri. Em 1934, Williams isolou a substância que desvendaria o mistério da doença: a vitamina tiamina.

Funções

Assim como outras vitaminas do complexo B, a tiamina age como um catalisador biológico, ou coenzima. Como uma coenzima, a tiamina participa da longa cadeia de reações que fornece energia e calor ao corpo. Ela também ajuda o corpo a produzir gorduras e a metabolizar proteínas, além de ser necessária para o funcionamento normal do sistema nervoso.

Além de prevenir o beribéri, a tiamina também pode ser útil às pessoas que sofrem da doença de Alzheimer. Vá para a próxima página para obter mais informações sobre o valor terapêutico da tiamina.

A vitamina B1 não é o único nutriente que você precisa para manter a saúde geral. Acesse os links a seguir para mais informações sobre vitaminas essenciais.

•A vitamina B3, ou niacina, age como uma coenzima, auxiliando outras substâncias na transformação do alimento em energia. Saiba mais em Como funciona a vitamina B3.
•A vitamina B5, ou ácido pantotênico, pode ser encontrada em todas as células vivas e em todos os alimentos. Saiba por que ela é importante na sua dieta em Como funciona a vitamina B5.
•A vitamina B6 é, na verdade, um grupo de três substâncias: piridoxina, piridoxamina e piridoxal, que metabolizam as proteínas e os aminoácidos. Leia mais em Como funciona a vitamina B6.
•A vitamina D é necessária para evitar o raquitismo, mas a exposição ao sol faz seu corpo produzir seu próprio suprimento de vitamina D. Saiba mais em Como funciona a vitamina D.
•Em Como funciona a vitamina E, conheça esse importante antioxidante com benefícios poderosos à saúde.

Benefícios da vitamina B1
A tiamina pode ser útil para os portadores da doença de Alzheimer. Ela imita a acetilcolina, um neurotransmissor importante para a memória. Os pacientes com Alzheimer que tomam de 3 a 8 g por dia de tiamina apresentam melhor funcionamento mental e menos senilidade e problemas de memória.

A tiamina pode ser benéfica para os portadores da doença de Alzheimer e para idosos com deficiência mental



As pessoas que sofrem de epilepsia e tomam o medicamento fenitoína podem se beneficiar tomando de 50 a 100 mg de tiamina diariamente. Em um estudo realizado em quatro anos, os epilépticos que tomavam essas doses apresentaram melhor funcionamento mental e se saíram melhor nos testes do que os que tomavam ácido fólico ou placebo.

Como a tiamina participa das reações que fornecem energia ao corpo, ela é considerada cura para o estresse e para a fadiga. Embora não forneça a energia em si, a tiamina ajuda a transformar o alimento que você come em energia. Se você estiver com um nível baixo de tiamina, um suplemento ajudará a extrair mais energia do alimento. Mas as deficiências não são comuns se você segue uma dieta variada de alimentos integrais.

A tiamina pode ser encontrada em alimentos "enriquecidos", embora o cozimento em alta temperatura possa destruí-la. Vá para a próxima página para conhecer os alimentos que são uma excelente fonte desse nutriente.

A vitamina B1 não é o único nutriente que você precisa para manter a saúde geral. Acesse os links a seguir para mais informações sobre vitaminas essenciais.

Alimentos que contêm vitamina B1
O termo "enriquecido" no rótulo dos alimentos significa que três vitaminas B (tiamina, niacina e riboflavina) e um mineral (ferro) foram acrescentados a eles para comporem parte dos nutrientes que se perderam durante o processamento. Por isso, os pães e cereais enriquecidos são excelentes fontes de tiamina. Porco, ostra, ervilha verde e feijão-de-lima também são uma boa fonte dessa vitamina. A maioria dos outros alimentos contém pouquíssimas quantidades de tiamina.

O cozimento em alta temperatura destrói facilmente a tiamina. Como uma vitamina solúvel em água, ela também passa do alimento para a água do cozimento. Para preservar a tiamina nos alimentos, cozinhe-os em temperatura baixa, com pouca água e pelo menor tempo possível. Ao cozinhar no vapor ou no microondas, a perda da vitamina é mínima, e o sabor natural do alimento costuma ser preservado.

A colocação de bicarbonato de sódio nas verduras para conservar a cor viva destrói o teor de tiamina desses alimentos



Para ajudar a manter a cor viva, algumas pessoas adicionam bicarbonato de sódio às verduras ao cozinhá-las. E isso não é bom, pois o bicarbonato de sódio não apenas faz com que as verduras percam sua forma e consistência, como também destrói seu teor de tiamina. Os sulfitos, usados como conservantes, também destroem a tiamina.

Necessidades alimentares

A quantidade de tiamina de que seu corpo precisa depende da quantidade de calorias que você consome, particularmente as provenientes de carboidratos. Você precisa de 0,5 mg de tiamina para cada 1.000 calorias (supondo um consumo médio de carboidratos). O consumo de tiamina deveria ser de pelo menos 1 mg por dia, mesmo que sua ingestão total de calorias fosse inferior a 2.000. Ao aumentar seu consumo de carboidratos, você também eleva sua necessidade de tiamina, embora seu consumo de tiamina também aumente.

O CDR de tiamina é de 1,2 mg para homens e 1,1 mg para mulheres com menos de 50 anos. Gestantes ou lactantes, que precisam de uma quantidade maior de calorias, precisam de mais tiamina do que outras mulheres. Uma dieta variada e bem balanceada fornece facilmente a tiamina necessária.

Alimento Quantidade
Tiamina (mg)

Pistache 1/2 xícara
0,54

Melancia 1 fatia 0,39

Noz ou avelã 1/2 xícara 0,34

Mingau de aveia pronto 1 xícara 0,28

Macarrão cozido, enriquecido 1 xícara 0,28

Castanha de caju assada 1/2 xícara 0,28

Ervilha verde cozida 1 xícara 0,28

Peixe 85 g 0,27-0,57
Arroz enriquecido, cozido 1 xícara 0,25

Semente de girassol 1 colher de sopa 0,21


A deficiência de vitamina B1 leva ao beribéri, uma doença que pode ser debilitante e até fatal. Continue lendo para obter mais informações sobre a deficiência de vitamina B1.

A vitamina B1 não é o único nutriente que você precisa para manter a saúde geral. Acesse os links a seguir para mais informações sobre vitaminas essenciais.

Deficiência de vitamina B1
Dormência, fraqueza muscular, falta de apetite e alterações do sistema nervoso, como irritabilidade, perda de memória e depressão, caracterizam o chamado beribéri seco. Em contrapartida, o beribéri úmido se caracteriza pelo acúmulo de líquido, especialmente na parte inferior das pernas. Essa forma grave da doença interfere no coração e no sistema circulatório e pode causar insuficiência cardíaca.

Na infância, a deficiência de tiamina retarda o crescimento.

2007 Publications International, Ltd.
Dormência, fraqueza muscular e
falta de apetite são sinais do beribéri seco

Praticamente todos os idosos apresentam níveis de tiamina mais baixos que o ideal. Isso pode ser conseqüência da diminuição da absorção geralmente vista à medida que as pessoas envelhecem, ou de uma dieta restrita, em que as pessoas comem menos variedades de alimentos. Os portadores de doenças cardiovasculares também sentem maior necessidade de suplementação de tiamina.

Hoje, uma deficiência de tiamina grave raramente ocorre no mundo ocidental, exceto entre os alcoólatras, que comem pouco ou nenhum alimento durante períodos prolongados. Eles podem desenvolver um padrão de sintomas neurológicos conhecido como síndrome de Wernicke-Korsakoff, que envolve o sistema nervoso e causa uma forma de psicose.

A deficiência de tiamina também pode ocorrer em pessoas que não têm muitas opções de alimento, seja por negligência ou pobreza. As dietas deficientes de tiamina geralmente têm carência de outras vitaminas do complexo B, pois elas existem em muitos alimentos iguais. Os alimentos altamente processados são os principais responsáveis porque acrescentam carboidratos à dieta sem as quantidades de vitaminas do complexo B necessárias para processá-los.

Para tratar uma deficiência, são usadas doses de tiamina duas a cinco vezes maiores que o valor do Consumo Diário Recomendado - CDR. Nos países desenvolvidos, as deficiências são vistas com mais freqüência em crianças que fazem quimioterapia, mas isso é facilmente resolvido com suplementação. Não há problemas conhecidos de toxicidade com doses altas de tiamina.

Mas as deficiências não precisam ser graves para causar problemas. Mesmo níveis levemente baixos podem causar problemas no funcionamento mental. A tiamina é, em parte, responsável pela produção de energia, incluindo a energia para o cérebro. Sem ela, o cérebro simplesmente não funciona direito. Acredita-se que até 30% dos pacientes internados em hospitais psiquiátricos apresentam deficiência de tiamina.

Agora você já sabe por que a tiamina é tão importante para sua saúde, veja se está realmente consumindo a quantidade certa de tiamina.

SOBRE O AUTOR: a Dra. Jennifer Brett é diretora do Instituto de Acupuntura da Universidade de Bridgeport, onde também trabalha como professora na Faculdade de Medicina Naturopática. Líder reconhecida em seu campo, com vasta experiência no tratamento de várias doenças utilizando medicamentos botânicos e nutricionais, a Dra. Brett apareceu no WABC TV (NYC) e no Good Morning America para discutir o uso de plantas na saúde.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor, nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.

ACADEMIA WALL STREET FITNESS
bodyticket.com.br
(31) 3335-7227 (31) 3291-6590.
AV.CONTORNO 8000 - BAIRRO LOURDES
BELO HORIZONTE - MG
Mapa Wall
Satisfacao Garantida
Valor Titulo Remido Wall Street

Tags da Academia